SAM_8731Duas pessoas morreram em Carpina durante uma troca de tiros durante o desfile do bloco As k-traias. São elas: o ex-presidiário José Edson Araújo dos Santos,22 anos, conhecido como Keki e  Edvaldo Salviano Soares Filho, 16 anos. Eles se desentenderam durante o bloco, onde ambos sacaram armas de fogo e começam a troca de tiros no meio dos foliões causando pânico entre os que estavam presentes que só tinham como alternativa correr para salvar suas vidas.

Edvaldo Filho,  atingido por um disparo de arma de fogo na Cabeça foi socorrido para a Unidade Mista e encaminhado para o Hospital da Restauração onde não resistiu  morreu.  Kêki mesmo baleado no peito invadiu uma casa  para tentar se esconder, mas foi detido pela polícia e também socorrido, mas não resistiu ao ferimento e veio a óbito.

De acordo com informações ambos eram envolvidos com tráfico de drogas, a motivação do crime teria sido um acerto de contas.

Vendedor foi morto na frente do Banco do Brasil

SAM_8754Após fugir de uma briga que estava acontecendo dentro do bloco As K-Traias, o vendedor Antônio Feitosa de Sousa, 31 anos foi assassinado com 6 facadas e um disparo de arma de fogo. Ele era da cidade de Exú no sertão de PE e morava na cidade a pouco tempo.

A secretária Cassia do Moinho se pronunciou lamentando o ocorrido através de uma rede social

Lamentável a morte que ocorreu na noite de ontem durante a passagem de um dos blocos da semana pré-carnavalesca da cidade.

Nós que fazemos parte da gestão municipal fazemos o que podemos para resguardar a integridade física das pessoas e disponibilizamos dezenas de guardas municipais no dia de ontem.

Gostaria de ressaltar, principalmente aos desinformados, que se havia um precário nº de policiais militares, infelizmente não compete à prefeitura intervir diretamente nesta questão.

Solicitamos reforço do policiamento ao Batalhão de Nazaré da Mata para a semana pré e também para todos os dias de Carnaval. Infelizmente, é o que podemos fazer diante desta situação.

A própria polícia foi ontem à rádio local e informou que a morte não foi por briga provocada dentro do bloco e sim um acerto de contas, e também informou que o nº de policiais do batalhão é pequeno.
Afinal, é dever, constitucionalmente previsto, do Estado (não município) gerenciar a segurança pública e disponibilizar policiais militares. Se há efetivo insuficiente aqui e em todo Pernambuco, esta é uma questão a tratarmos com o governo do estado.

Espero que os próximos dias sejam de paz e que saiamos de casa com o pensamento apenas em nos divertir!