O cinegrafista Gelson Domingos da TV Bandeirantes morreu na manhã deste domingo (6) após ser baleado durante um tiroteio entre policiais militares e traficantes na Favela de Antares, em Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro. Gelson Domingos da Silva, de 46 anos, fazia a cobertura jornalística da operação que os batalhões de Choque e de Operações Policiais Especiais (Bope) realizaram na comunidade, quando foi atingido por um tiro no peito.

A vítima ainda foi levada para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Santa Cruz, mas não resistiu ao ferimento e já chegou morta ao local. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, o corpo do cinegrafista foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

Em nota, a TV Bandeirantes informou que Gelson estava com colete à prova de balas, um modelo permitido pelas Forças Armadas, usado pelos profissionais da emissora em situações de risco. O cinegrafista, no entanto, foi atingido por um tiro de fuzil que atravessou o colete.

Segundo repórteres que estavam no local, antes de ser baleado Gelson avistou um homem correndo com um fuzil na localidade conhecida como rua do Valão. Ele procurou proteção junto a uma árvore, começou a gravar, mas foi atingido por um disparo.

O cinegrafista deixa três filhos, dois netos e esposa. “Repórter cinematográfico da TV Bandeirantes, ele já trabalhou em outras emissoras como SBT e Record e sempre foi reconhecido pela experiência e cautela no trabalho que exercia”, informa a nota divulgada pela Band. O enterro do cinegrafista vai acontecer na segunda-feira, às 15h, no Memorial do Carmo.

A incursão na Favela de Antares teve início por volta das 6h30 e contou com a participação de 100 PMs. Segundo a Polícia Militar, o objetivo da ação era checar informações recebidas pelas áreas de Inteligência do Bope e do Choque de que líderes do tráfico fortemente armados se reuniam no local. Quatro suspeitos foram mortos e outros oito foram presos, entre eles, o “gerente” do tráfico na região, Renato José Soares, conhecido como “BBC”, e seu braço-direito, Leandro Ferreira de Araújo, vulgo “China”.

A operação foi comandada pelo 1º tenente Leonardo Novo Oliveira Araújo. A ação policial apreendeu um fuzil AR 15, três pistolas, cinco rádios transmissores, um quilo de maconha, 574 trouxinhas de maconha, 522 pedras de crack, 100 pacotes de cocaína, R$ 3.154 e nove motos, entre outros.